Fim de carreira para Alisson Felício Nobre, vulgo ‘Cheirinho’

Atualizado em 24/06/2016 às 16:33 - Fotos: José Dilson Pinheiro e Polícia Civil
Poucas pessoas, além de familiares, sabiam exatamente o nome completo deste jovem que, ainda na adolescência, ganhara o apelido de "Cheirinho" e já despontava como um menor infrator e tornara-se bastante conhecido pelas autoridades policiais. Vários crimes a ele foram atribuídos, desde o roubo de celulares, motocicletas, tráfico de drogas, acusações de crime de mando e execuções de jovens ligados ao tráfico de drogas, de serem informantes da polícia, enfim, dezenas de fatos que, como se sabe, nem tudo que ocorreu de ruim em Euclides da Cunha e em outros municípios por onde Cheirinho atuava, teve a sua participação; porém, a fama de "jovem-mau" que lhe fora imputada, o colocou entre os elementos mais perigosos com atuação em Euclides da Cunha. Desde criança, ainda na escola, já dava sinais de que se não houvesse um controle severo se tornaria um menor infrator, o que realmente aconteceu.
 
Com fama de "escorregadio", por várias vezes, escapou ao cerco policial armado para prendê-lo e, desafiador, costumava andar de moto ou montado em um cavalo em visita a parentes, percorrendo lugares periféricos, de onde costumava aguardar seus comparsas em missão de roubo sob encomenda, principalmente motocicleta, que eram levada para outros lugares, principalmente Caldas do Jorro, onde o tráfico de drogas é muito intenso, para ter os sinais de identificação do veículo adulterados e repintura, provavelmente para serem trocadas por drogas que serviam para abastecer as chamadas "bicas", locais de venda de maconha, cocaína, crack, etc. 

Cheirinho pegou “fama” rapidamente, arranjou muitos desafetos e segundo informações de comparsas seus, costumava dizer que jamais se entregaria a polícia..., que morreria trocando tiros, fato que se concretizou neste sábado (20). Desde a Semana Santa, o S.I. (Serviço de Investigação da Polícia Civil da 25ª Coorpin), por determinação do delegado Paulo Jason de Melo Falcão, regional da 25ª Coorpin, havia intensificado os trabalhos de investigação para prendê-lo e, aos seus comparsas, inclusive suspendendo a folga de agentes que haviam trabalhado nos plantões, para aumentar o número de policiais civis em campo, na tentativa de tirar o meliante de circulação. 

Uma reunião com proprietários de estabelecimentos comerciais, membros de entidades representativas da classe empresarial com o TC/PM Amon Gomes, comandante do 5º BPM, também aconteceu, com o objetivo de intensificar as ações ostensivas de combate à criminalidade. Além de muitas cobranças postadas nas redes sociais, que pediam ações mais fortes por parte das autoridades responsáveis.
 
Há duas semanas, guarnições da Polícia Civil e Polícia Militar estiveram bem próximo de prendê-lo; porém, muito astuto, percebeu, de longe, quando trafegava pela rodovia BA 220, no trecho entre o Conjunto Habitacional Minha Casa Minha Vida, que algo de errado estava para lhe acontecer, e retornou imediatamente. As guarnições tinham informações que Cheirinho estava se dirigindo para as "casinhas", como é chamado o Conjunto Habitacional Minha Casa Minha Vida, local que frequentava costumeiramente sem se incomodar de ser visto por populares, mas conseguia escapar sempre que avistava uma guarnição policial, fugindo pelo matagal que existe próximo ao conjunto habitacional, segundo informação de um morador das casinhas, usando como rota de fuga as estradas municipais que passam pela Cal Sublime, Fazenda Baixas, Araçás, Cedro, Pedregulho, entre outras. 

Neste sábado, contudo, por volta das 11h40, com a ajuda do serviço de inteligência da Polícia Civil corroborada por uma ligação telefônica anônima destinada ao oficial comandante de uma guarnição em ronda ostensiva pela cidade, guarnições da Polícia Militar do 5º BPM foram até um pequeno bar localizado no Conjunto Habitacional São Bartolomeu, local indicado na ligação telefônica, onde Cheirinho, na companhia do parceiro Robinho, haviam chegado por volta das 08h, guardou a motocicleta dentro do estabelecimento, deixou a porta entreaberta e passou a consumir cervejas. Segundo o proprietário do estabelecimento, que fora conduzido pela PM para averiguação, em depoimento ao delegado Paulo Jason de Melo Falcão, esta, era a primeira vez que Cheirinho frequentava o bar que, no momento, tinha à frente, a esposa do proprietário, que trabalha fazendo entrega de botijão de gás em uma motocicleta, sempre que solicitado por um proprietário de um pequeno depósito.

PRISÃO, RESISTÊNCIA, TIROS E REAÇÃO: De posse de informações sobre a localização de Cheirinho e do pleno conhecimento da existência de um mandado de prisão temporária pelo prazo de 30 dias, expedido pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca de Euclides da Cunha, em desfavor de Alisson Feliciano Nobre, as guarnições policiais se deslocaram até o endereço indicado onde Cheirinho se encontrava e, como costumava dizer que “jamais se entregaria à polícia”, ao perceber a chegada dos agentes policiais militares, tentou fugir pelo fundo da casa, depois de efetuar um disparo de arma de fogo contra o oficial e o soldado que o acompanhava, momento em que lhe fora dado a voz de prisão e que largasse a arma. Sem obedecer a ordem que lhe fora dado, fez outros disparos e o revide por parte dos policiais foi inevitável, segundo informações obtidas pelo site euclidesdacunha.com junto ao oficial que comandava a ação, que alegou não ter autorização para dar entrevista e que um relatório detalhado seria elaborado e entregue ao comando do 5º Batalhão de Polícia Militar, mas que o site euclidesdacunha.com teve acesso ao depoimento dos militares envolvidos.
 
Cessada a troca de tiros, Cheirinho foi encontrado ferido no interior da residência e levado, ainda com vida, pela guarnição para o Hospital Municipal ACM/Português, onde deu entrada sem os sinais vitais. A notícia da morte de Cheirinho repercutiu rapidamente nas redes sociais e centenas de pessoas acorreram ao Hospital Municipal para saber se procedia a informação e demonstravam sinais de alívio ao serem informadas sobre o óbito, ao mesmo tempo em que familiares, especialmente a genitora de Cheirinho, bastante abalada com a notícia da morte do filho, precisou de cuidados médicos, segundo foi informado. 

Diante do boato de que Dudu, parceiro de Cheirinho e apontado como latrocida de Rogério de Souza da Conceição, moto-taxista assassinado recentemente, dezenas de moto-taxistas se dirigiram ao Hospital Municipal, o clima ficou bastante tenso, havendo a necessidade de uma intervenção da PM para acalmar os ânimos. 

Dudu faz parte do álbum de fotografias divulgado esta semana pela Polícia Civil, e tem mandado de prisão preventiva expedido em seu desfavor pela Justiça da Comarca de Euclides da Cunha, bem assim os demais parceiros de crime que aparecem no referido álbum, inclusive Cheirinho. Na ação policial de hoje, um jovem, que chegaram a dizer tratar-se de Dudu, na realidade era o proprietário da casa e do bar onde houve o confronto, foi conduzido pela PM e apresentado na 1ª DT, para averiguação. Em seu depoimento ao delegado Paulo Jason, Givaldo, o conduzido, alegou não ter nenhuma relação com Cheirinho, apesar de conhecê-lo, assim como muitas pessoas, e que havia acabado de chegar de uma entrega de gás, almoçado e estava lavando o prato quando a polícia chegou. Ao ouvir o primeiro disparo de arma de fogo, correu para o quarto, onde juntamente com esposa e filhos buscou refúgio e proteção. 

O depoimento de Givaldo foi precedido pelo depoimento da esposa, o delegado não encontrou contradição nos depoimentos do casal que, entre outras coisas, ao serem perguntados se sabiam que Cheirinho estava sendo procurado pela polícia, responderam afirmativamente, mas que ficaram com medo de denunciá-lo, da mesma forma que outras pessoas que também sabiam que Cheirinho circulava pelo bairro. Após a audiência, Givaldo foi liberado e voltou para casa na companhia dos pais e da esposa. 

O site euclidesdacunha.Com apurou que que Cheirinho foi acusado por comparsas ouvidos em depoimento em 2016, de ser o autor do homicídio praticado contra o elemento conhecido como “Badalo”, ocorrido em uma propriedade rural vizinha às “Casinhas”, além de o homicídio praticado contra Jeferson Luís dos Santos Cruz, além de participação em outros crimes.

As investigações e ações de combate à criminalidade vão continuar fortemente em Euclides da Cunha, segundo as autoridades responsáveis pela segurança pública. Várias pessoas que se encontravam no pátio do Hospital Municipal, ao serem ouvidas pelo site euclidesdacunha.com, elogiaram a atuação das polícias civil e militar. Nas redes sociais, principalmente WhatsApp, várias mensagens em desfavor de Cheirinho foram postadas.
 

Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/1912