Mortos da Faneob são homenageados em Missa de Sétimo Dia

Imagens: José Dilson Pinheiro

Neste sábado (1º), centenas de cristãos católicos foram à Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição para homenagens póstumas e missa em ação de graças pelo sufrágio das almas de todos os mortos no acidente que envolveu um ônibus escolar da Prefeitura Municipal de Euclides da Cunha e uma carreta, fato ocorrido no último domingo 25 de novembro, às 10h50, no km 283, proximidade da cidade de Santa Bárbara-BA, que resultou na morte de oito pessoas, sete das quais, passageiros do ônibus, sendo seis músicos e o condutor do veículo escolar, tragédia que abalou e repercutiu em todo o Brasil.

O ato litúrgico foi presidido pelo padre Mauro, da Paróquia de Monte Santo, e compartilhado com o padre Charles Batista, presidente da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição do Cumbe, e o monsenhor Jayme Oliveira Santos, também como parte da programação religiosa em homenagem à Nossa Senhora da Conceição – padroeira de Euclides da Cunha, criada no dia 8 de dezembro, no final do século XVIII (1880), precedido de novenas, “culminando os festejos com a missa solene, procissão e a bênção do Santíssimo no dia consagrado à Virgem”.

A igreja ficou completamente lotada e uma ala externa foi criada para abrigar mais de cem pessoas que acompanharam a celebração por meio de um telão improvisado do lado de fora, boa parte da plateia constituída de faneobeanos e amigos. Mais uma vez, a emoção tomou conta das pessoas que, solidárias às famílias enlutadas, inclusive do motorista da carreta envolvida no acidente, que também morreu.

Numa estante ornamentada com buquê de flores, foram colocadas fotografias de Marcos Brito (maestro e presidente da Faneob), Fernando Andrade, Rodrigo Carvalho, Jeferson Conceição, Rafael Souza, Flávio Solano, este, falecido dias depois, quando se encontrava internado no Hospital Geral Clériston Andrade, em Feira de Santana, além de Orlando Matos, condutor do ônibus, que não resistiram aos ferimentos gravíssimos que sofreram e vieram a óbito.

Antes da bênção final, dentro das homenagens à Nossa Senhora da Conceição – padroeira, mais homenagens foram prestadas, a começar pelo padre Mauro, que recebeu uma Bíblia de presente; Prof. Teomar Gonçalves, como “Missionário da Música”, pela sua excelente participação nas celebrações ecumênicas e movimentos religiosos católicos, entoando hinos e músicas sacro-religiosos; Neide Bezerra, pela sua dedicação e participação nos movimentos religiosos femininos da paróquia, homenageada com o título de “Missionária das Vendas”.  

Dedicação especial às vítimas que faleceram e orações pela recuperação dos demais companheiros que se encontram internados e continuam a receber tratamento hospitalar, em franca recuperação; homenagens especiais nas falas do maestro Erlon, amigo querido e companheiro de trabalho de Marcos Brito, e... , ambos componentes da Faneob, encerradas com uma projeção de imagens na parede, um pouco acima do altar lindamente ornamentado com a imagem de NSRA da Conceição.

As imagens mostravam as vítimas e a própria Faneob em competições nas mais diferentes praças de cidades do interior baiano, onde ganhou quatro títulos e estava em busca do pentacampeonato, além de muito respeito e fama junto às bandas de fanfarra adversárias, pelo belíssimo trabalho de apresentação, inovação, modernização rítmica, indumentária, percussiva e instrumental de sopro, evolução comandada pelo Mór prof. Rony Brito, que em seus comentários sempre dizia que, entre as bandas de fanfarra de todo o estado, a Faneob era “a mais ousada da Bahia”.

Rodeados de pessoas solidárias na dor, familiares e amigos (filho, neto, sobrinho, primo, companheira) vestiam camisa que estampava o rosto de seus entes queridos, em meio à lágrimas e abraços fraternos de autoridades religiosas, colegas de fanfarra, que mais uma vez levaram conforto e solidariedade cristã às famílias enlutadas.

Assim como no dia do velório e sepultamento dos corpos e em meio à tristeza, uma notícia boa foi dada pelo pároco Charles Batista, após a bênção final: “pessoal, lá fora está chovendo”, momento que encheu de alegria, mais uma vez, o povo sertanejo tão carente desta bênção que voltou a cair do céu, depois de longos anos de terrível seca, coincidentemente com aquela tarde/noite de 27 de novembro de 2018, quando choveu forte e copiosamente em Euclides da Cunha, cidade e em vários pontos do interior.

A programação religiosa continua até o próximo sábado (08), quando acontece a culminância dos festejos com missa solene, procissão e a bênção do Santíssimo, no dia consagrado à Santa padroeira de Euclides da Cunha. Até lá, novenas, quermesses, bazar, bingo, leilões acontecem todas as noites, com muita animação, como há 138 anos atrás.










Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/2736