Fundação José Silveira inaugura Centro de Saúde José Jackson de Santana em Euclides da Cunha

Fotos:Jaciane Correia
 
 
 
Nesta sexta-feira (05), Euclides da Cunha ganhou mais um empreendimento na área da saúde, que certamente vai trazer grandes benefícios para o município e para outros municípios da circunvizinhança, que certamente vão buscar atendimento médico em diversas especialidades, em local mais próximo de casa, evitando-se custos elevados, principalmente para as prefeituras da região, cujos serviços de saúde pública não disponibilizam de atendimentos clínicos, cirúrgicos, exames laboratoriais, oftalmologia,  entre  outros.
 
A primeira sexta-feira de julho de 2019, também ficará para os euclidenses como o dia em que a Fundação José Silveira, conceituadíssima, assim como a professora Erotyldes Siqueira entrou para os anais da história de Euclides da Cunha, pela afinidade desta, que é a principal cidade em desenvolvimento no Sertão de Canudos, com Santo Amaro da Purificação, terra natal da primeira professora formada a lecionar na Vila de Cumbe, atual Euclides da Cunha.
 
 
Novamente, o Sertão se encontra com o Recôncavo Baiano, por meio de duas personalidades importantes, uma Fundação criada por um médico Tisiólogo (estudioso da tuberculose, das doenças pulmonares, do trato respiratório), nascido em Santo Amaro da Purificação e uma humilde professora, também santamarense, que deixou sua cidade natal, de família bem situada socialmente e financeiramente para vir servir aos sertanejos, casou-se com um euclidense, constituiu família e entrou para a história da cidade.
 
O médico e cientista José Silveira, assim como a professora Erotyldes, já não está mais entre nós, desde 2001, quando faleceu aos 96 anos de idade, 70 anos depois de ter deixado sua terra natal para cursar Medicina na tradicional Escola Bahiana de Medicina, em Salvador. Mas a Instituição que fundou, denominada Instituto Brasileiro para Investigação da Tuberculose (IBIT), tinha entre suas finalidades científicas, a pesquisa da tuberculose.
 
 
“Empreendedor, José Silveira buscou parcerias e criou instituições de luta contra a tuberculose e o Hospital do Tórax, todos sem fins lucrativos. Em 1988 criou a Fundação José Silveira, uma entidade filantrópica sem fins lucrativos, de natureza científico-cultural, que busca por meio de seus empreendimentos, alcançar os melhores padrões de qualidade para servir a comunidade, atualmente composta de 6 unidades: IBIT, Hospital Santo Amaro, IBR-Instituto Baiano de Reabilitação, Laboratório José Silveira, Gerência de Projetos de Saúde, Gerência de Segurança e Meio Ambiente – GSMA”.
 
CHEGOU EM EUCLIDES DA CUNHA – Por iniciativa do jovem José Jackson de Santana, popularmente conhecido na cidade como “Zé de Zizinha”, por ser filho legítimo desta senhora e a mania que o povo interiorano tem de relacionar o nome da pessoa ao nome do pai ou da mãe, Zé de Zizinha, que era solteiro e dono de um bom patrimônio, segundo pessoas mais próximas, e sem herdeiro natural, nos últimos cinco anos sofria com uma doença que o deixava debilitado, além de dependente de remédios que ajudavam aliviar, temporariamente, as fortes dores que sentia.
 
 
 
Não tinha muitos amigos e amigas, era muito seletivo na escolha das pessoas que compunham o seu círculo de amizade. Era uma figura irreverente, possuía religiosidade, até construiu uma capelinha no bairro Jeremias e doou às mulheres devotas da Mãe Rainha, grupo de religiosas e devotas ao qual pertencia dona Zizinha, que a conservam cuidadosamente até os dias atuais.
 
Cada vez mais fragilizado em sua saúde, talvez, pensando em deixar um bom legado para as pessoas socialmente mais carentes, aquelas que necessitam do abraço dos poderes públicos para cuidar da saúde, comprou um imóvel onde funcionava uma antiga clínica médica, que havia sido desativada após a morte do seu proprietário, o médico Dr. Humberto Freire, e junto à Fundação José Silveira buscou parceria para que naquele antigo prédio, depois de reconstruído se instalasse o Centro de Saúde Fundação José Silveira.
 
 
 
Infelizmente, José Jackson Campos de Santana, ou Zé de Zizinha, não pode ver o seu sonho, seu desejo concretizado, pois fora chamado para um “plano superior”, mas deixou a médica e amiga Mariana Abreu com a responsabilidade, ela que já vinha à frente do empreendimento, segundo amigos mais próximos, com a tarefa de levar adiante e realizar o desejo de um grande amigo, de contemplar Euclides da Cunha, sua cidade natal, com uma unidade médica com a marca da conceituadíssima Fundação José Silveira (FJS).
 
Na tarde desta sexta-feira (05), reunidos na recepção da Clínica, agora, extraoficialmente, com o nome de fantasia “Zé de Zizinha”, por sugestão do deputado federal Antônio Brito, um político defensor das causas em favor das Santas Casas de Misericórdia e fortes relações com a Fundação José Silveira, Mariana Abreu, sob forte emoção, contou um pouco da história do grande amigo Zé de Zizinha e revelou a outra face de uma pessoa que queria deixar para a cidade, um legado que favorecesse às pessoas socialmente menos favorecidas, principalmente.
 
 
Magda, outra grande amiga comum e muito próxima, também se pronunciou seguindo a mesma linha de pensamento dos demais oradores que sucederam ao administrador Carlos Dumet, que fez a abertura da cerimônia, entre eles, a ex-prefeita Fátima, o deputado federal Antônio Brito, o vice-prefeito José Alberto Campos (Betão Campos), que representou no ato, o prefeito Dr. Luciano Pinheiro, este, impossibilitado de comparecer, por estar cumprindo agenda de trabalho em Salvador, o designou para representá-lo na cerimônia, que foi marcada pela presença de secretários de governo municipal, diretores de órgãos públicos, vereadores, políticos, empresários, profissionais liberais, comerciantes, entre outros.
 
O evento durou cerca de 50 minutos, e o cerimonial conduzido pela jornalista Gabriela Rossi foi encerrado com uma oração e bênção do padre Charles Baptista, pároco local, que aspergiu água benta às instalações implantadas com uma estrutura moderna e confortável, após reforma feita pela FJS, decerração de placas alusivas ao evento e visitação às instalações, no andar térreo, já que mais dois andares ainda não tiveram suas dependências concluídas, e coquetel. Por sugestão do deputado Antônio Brito, a clínica pode ser transformada futuramente em uma unidade de saúde das Santas Casas de Misericórdia.
 
 
 
A unidade proporcionará à população consultas em clínica médica, ginecologia, gastroenterologia, angiologia, cirurgia geral, otorrinolaringologia, oftalmologia, neurologia, dermatologia, urologia, ortopedia e cardiologia, incluindo os exames de eletrocardiograma, MAPA, holter, teste ergométrico e ultrassonografia, e atenderá diversos convênios de saúde. Assim com a missão da professora Erotyldes Siqueira foi exitosa, espera-se o mesmo da FJS em Euclides da Cunha e região.
 
 

Publicado em: http://www.euclidesdacunha.comnews/print/id/3001