Residencial Ararinha Azul segue abandonado e habitado pelo mato em Euclides da Cunha

Fotos: Euclidesdacunha

Há aproximadamente cinco anos, o sonho de centenas de pessoas começou a ser construído. Um sonho chamado Conjunto Ararinha Azul, e que, anos depois, se tornou um grande elefante branco perdido no meio do mato, do nada.

O site Euclidesdacunha.com esteve recentemente no local e constatou o abandono. A estrutura das casas vai, aos poucos, sendo danificada e comprometida. No local, apenas dois seguranças protegem o espaço, os mesmos que nada podem fazer contra a ação do tempo.

Por todos os lados, as 152 unidades, do Minha Casa Minha Vida, se perdem em meio ao mato, que cresce desordenadamente. Da estrada, quase já não se vê as residências, que são em formato de apartamento. A realidade local é de total abandono.

Segundo os seguranças, muito material nas estruturas já está comprometido, como piso rachados, janelas de vidro e telhados quebrados.  O site entrou em contato, por duas vezes, com o Governo do Estado, através da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SEDUR), que ficou de enviar uma resposta há duas semanas. Até o fechamento dessa matéria, ninguém do órgão se pronunciou sobre o assunto.

Segundo o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Neilton Rocha, há uma empresa selecionada e aguardando o recurso para concluir a obra, e que já foram realizadas quatro reuniões na Caixa Econômica, em Feira de Santana, com o objetivo de resolver o impasse e realizar o sorteio das unidades. Segundo Neilton, cerca de 640 pessoas estão cadastradas atualmente na secretaria à espera de um lar, mas que o déficit habitacional do município é ainda maior.

Enquanto o impasse permanece, a ação natural do tempo vai atuando sobre os imóveis e se encarregando de colocar a realização do sonho dos euclidenses cada vez mais longe. Do outro lado, a população que carece busca angustiada por novidades na secretaria, gente que não tem onde morar nem um lar para chamar de seu. Triste e lamentável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *