Expectativa de boa safra em Euclides da Cunha

 

Alguns agricultores do município já iniciaram a colheita de milho e feijão.

Nessa sexta-feira, 19 de junho do decorrente ano, sob um céu cor de chumbo e clima frio, trazemos a lembrança do último dia de 2019, o ano virava com o sagrado descendo em direção ao solo… chuvas intermitentes. Seria uma maneira de abençoar o sertão? 2020 era promessa de um ano melhor em comparação ao ano que estava indo embora? Sabe-se que Euclides da Cunha, cidade pertencente ao que se classifica como semi-árido II, retira do verde avistado em abrangência por além dos limites das fronteiras municipais o “Ouro”, quando a Mata Branca ganha nova coloração é sinônimo de riqueza aos euclidenses.

O nome Caatinga, em Tupi Ka’a que significa Mata e Tinga que significa Branca, traduzindo-se: Mata Branca é o único bioma exclusivamente brasileiro, enfatizo aqui que esse patrimônio biológico não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do planeta, tal nome define-se pela paisagem da vegetação branca e acinzentada nos períodos de estiagem, e, como já é ouvido na música Asa Branca do Rei do Baião, Luiz Gonzaga, em parceria de composição com Humberto Teixeira, especificadamente no seguinte arranjo de palavras  – “Inté mesmo a asa branca bateu asas do sertão”, é uma forma de mostrar o quão severa pode ser a seca no nordeste, pois a Asa-branca (Patagioneas picazuro) é uma ave columbiforme, ganívora/frugívora e geralmente frequenta roças após a colheita e alimenta-se de grãos de milho e feijão, quando não há alimento para essa espécie é sinal de que o solo estará rachado e dele nenhum broto germinará. Mas esse ano a  Asa-branca não vai embora, a caatinga arbórea acumula água, frutos, flores e o sal da terra garantiu bom plantio e boas colheitas.

Com as chuvas generosas que ocorreram esse ano em volume maior em comparação ao ano de 2019, os agricultores criaram boas expectativas com o plantio e assim inspiram uma boa safra de milho e feijão. Muitos agricultores de Euclides da Cunha, que realizaram o plantio um pouco mais cedo do comum, já estão realizando excelentes colheitas, entretanto os que plantaram em maio ainda não estão colhendo,  algumas localidades como Brejinho, Carnaíba e demais distritos da região partilham do risco de comprometimento das plantações em decorrência de pragas e excesso de chuvas que tendem a encharcar o solo que não comporta tanta água, enfraquecendo e deixando, por exemplo, os feijões amarelados e etc, sendo assim há uma necessidade de colaboração também climática, que as chuvas cessem no tempo ideal.

O portal de notícias Euclidesdacunha.com realizou levantamento de algumas informações relacionadas ao cultivo do milho e do feijão, com duas pessoas inseridas na engenharia agrônoma, Marcos Augusto e Daniele Azevedo, onde foi acrescentado:

“Expressiva parte da economia euclidense, deve-se por conta da agricultura, principalmente a agricultura familiar. O foco da agricultura em nossa cidade sempre foi produção de grãos, dentre os quais feijão e milho lideram a lista. O grande volume de chuvas em nosso município, traz um presságio positivo em relação a colheita, levado em consideração a aridez da nossa região e a falta de poços artesianos, já que massiva parte dessa produção de grãos provém da agricultura familiar.

O feijão tem ciclo médio em torno de 90 dias, o que pode diminuir esse tempo de cultivo, deve-se a sementes com ciclos precoces e manejo de boa qualidade. Recomenda-se então que essas sementes sejam plantadas antes do período chuvoso, favorecendo o ciclo da safra. O milho da semeadura até a colheita leva em torno de 120 a 160 dias, levando em conta todos os cuidados citados com o feijão, semeadura antes do período chuvoso para melhor desenvolvimento da semente, caso a produção não seja de forma irrigada, assim a plântula a partir da emergência, não sofra estresse hídrico. Ambos cultivados em consórcio, trazem grandes benefícios, inclusive o feijão que acaba disponibilizando fonte de nitrogênio que é macronutriente essencial para as culturas, como também o milho, que no solo euclidense, sua raiz do tipo “cabeleira” abre espaços dentro do solo, ajudando na oxigenação.”.

Realizando o manejo do solo corretamente, com a abundancia das chuvas dentro do período ideal, o plantio no tempo certo, renderá boa safra e movimentará a economia de Euclides da Cunha, já se conclui que muitos agricultores estão realizando suas colheitas com sucesso, e o nível da produção anual será maior do que no último ano. Boas notícias aos produtores do município, a economia local e regional.

Por Euclidesdacunha.com/Mayana Xavier

Uma resposta para “Expectativa de boa safra em Euclides da Cunha”

  1. Esse imenso verde da ESPERANÇA na paisagem agrícola do município de Euclides da Cunha prova que a MISERICÓRDIA DO NOSSO DEUS é sem limites, aliás, é o que ensinam os Evangelhos e mais recentemente a Devoção ensinada por Santa Maria Faustina Kowalska. Quando as mídias passaram a noticiar a maldita pandemia, a principal preocupação era a de que ela viesse aliada a uma estiagem prolongada. DEUS NOS LIVRE E GUARDE!!! Seriam duas desgraças simultâneas. Mas, a sabedoria popular assevera: “Deus dá o frio, conforme o cobertor.” Estamos cobertos de verde, de alegria, de contentamento, de ESPERANÇA e de garantia de fartura de pão. Portanto, temos outras pandemias a combater agora: a pandemia da ganância, da avareza, da usura, da especulação, da exploração do pobre. A única vacina contra essas é o crime.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *