Reprodução Google

Euclides da Cunha é rota para o Birdwatching

A observação de aves é uma forma de elencar o turismo sustentável.

Euclides da Cunha, município do interior baiano, abraçado pela Mata Branca: Caatinga arbórea, local de ocorrência de raras espécies, como a Arara-azul-de-lear, entre outras aves do sertão nordestino vem atraindo adeptos do Birdwatching que é uma prática de turismo sustentável.

Paulo Afonso_BA, 17 de maio de 2017
Documentacao dos projetos de conservacao da arara-azul-de-lear.
Foto: JOAO MARCOS ROSA/NITRO

São tantas as aves endêmicas na nossa região que atraem os olhares ampliados através dos binóculos dos observadores de pássaros, mas o nosso destaque é uma ave ameaçada de extinção, símbolo de resistência, assim como nossa gente descrita sob palavras justas no livro Os Sertões – “O sertanejo é, antes de tudo, um forte.” Por tanto, com representatividade, podemos trazer com ênfase a Arara-azul-de-lear, sem esquecer de toda a avifauna que ocorre em destaque entre as fronteiras euclidenses e além delas, para partilhar a imensurável importância desse animal na natureza e como pode ser agregado a uma nova consciência da biodiversidade local.

A arara-azul-de-lear tem seus ninhos nas cavidades de grandes paredões rochosos em locais conhecidos como “Toca Velha” e “Serra Branca” abrangendo a cidade de Canudos e Jeremoabo. As aves viajam cerca de 60/80km chegando nas primeiras horas da manhã, em Euclides da Cunha sendo possível ouvir a vocalização dos bandos de araras rasgando o céu com suas asas em azul-cobalto e no fim da tarde anunciam a hora da partida; a visita habitual ao munícipio pelas araras azuis, segundo o portal do ICMbio/CEMAVE (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres), é para alimentar-se, sendo que suas áreas de alimentação estão distribuídas nos municípios de Paulo Afonso, Santa Brígida, Euclides da Cunha, Monte Santo, Sento Sé e Campo Formoso, elas costumam pousar próximos aos licurizeiros; o licuri (Syagrus coronata) é uma palmeira nativa do bioma Caatinga e de toda a costa leste do Brasil, que faz parte da dieta dessa rara ave, assim como a baraúna, o umbu, a mucunã, o fruto de cactos como o mandacaru e o facheiro, além do milho.Após 150 anos de incertezas, desde o ano de 1856 quando a espécie foi descrita pela primeira vez, sua área de ocorrência só foi descoberta pelo ornitólogo Helmut Sick em 1978.

Canudos_BA, 21 de marco de 2012.
Pesquisa com a Arara azul de lear (Anodorhynchus leari) na Estacao Biologica de Canudos.
Foto: JOAO MARCOS ROSA / NITRO

Em decorrência da destruição do seu habitat e o tráfico, principais fatores de ameaça; sabendo que no Brasil, as aves são as mais comuns em apreensões de tráfico. Segundo o Ibama, elas correspondem a 80%, sendo que 6% são os psitacídeos (maioria papagaios, seguido de jandaias, periquitos e araras) a Arara-azul-de-lear tornou-se ameaçada de extinção, e, sua população é pequena, com cerca de 1.800 indivíduos atualmente considerando os projetos de proteção e conservação da espécie. Mas qual a importância da arara e das aves em geral para o meio ambiente e em consequência a sociedade? São animais muito importantes para a manutenção do equilíbrio ecológico, pois atuam como dispersoras de sementes, agentes polinizadores, reguladoras de populações das suas presas e ainda como bioindicadores de conservação, pois são bem conhecidas e sensíveis a alterações de seus habitats.

Canudos_BA, 04 de fevereiro de 2013.
Imagens da Estacao Biologica de Canudos, propriedade da Fundacao Biodiversitas, onde a arara azul de lear, especie ameacada de extincao se reproduz.
O ecossistema e a Caatinga.
Foto: JOAO MARCOS ROSA / NITRO
Reprodução Google
Reprodução Google

Além disso, são animais belíssimos e com uma demanda enorme de admiradores, para os amantes de pássaros, estar perto desses animais caracterizados pelo canto, colorido das penas e comportamentos ímpares é uma experiência extasiante, e, o que vem sendo agregado na nossa região é o birdwatching que nada mais é do quê a observação de vida selvagem, especificamente a observação de aves. Geralmente tal observação é realizada por meio de trilhas na natureza, com o uso de binóculos ou não, realizando registros fotográficos das espécies avistadas e em total silêncio para ouvir e identificar aves pelo sua vocalização/canto. Em nosso município essa prática de turismo ecológico vem acontecendo há alguns anos, Lourinho Reis é um guia para o birwatching e recebe turistas de vários lugares do Brasil e do mundo, que vem com objetivo de conhecer algumas espécies como a arara-azul-de-lear e toda a biodiversidade da caatinga arbórea, bioma exclusivamente brasileiro. Marlene Reis, que além de observar pássaros, também é percussora desse turismo ecológico, relatou: “Temos trabalhado com afinco afim de fortalecer este tipo de turismo em nossa região, já que é um dos que mais crescem no mundo e de forma sustentável, pois agrega valor a biodiversidade local e gera renda nas comunidades onde levamos o turista, seja com alimentação, hospedagem ou venda do artesanato local.”

Canudos_BA, 16 de marco de 2018
Imagens do sertão de Canudos produzidas em parceria com o projeto Jardins da Arara de Lear.
FOTO: JOAO MARCOS ROSA/NITRO
Canudos_BA, 16 de marco de 2018
Imagens do sertão de Canudos produzidas em parceria com o projeto Jardins da Arara de Lear.
FOTO: JOAO MARCOS ROSA/NITRO

Valorizar a beleza e as singularidades do nosso sertão, principalmente tudo o que envolve a natureza é uma forma de despertar uma nova consciência, seja aprendendo sobre a arara-azul-de-lear e as dificuldades de sobrevivência da espécie e o quanto é importante a sua preservação, assim podemos incluir na cultura local e disseminar esse conhecimento para tantos outros lugares, criando assim uma rede muito ampla e favorável ao equilíbrio ambiental, e, tudo isso é inserido através do birdwatching que traz um novo significado de interação do homem na natureza.

Canudos_BA, 31 de janeiro de 2017.
Arara-azul-de-lear
Foto: JOAO MARCOS ROSA/NITRO
Paulo Afonso_BA, 11 de maio de 2017
Documentacao dos projetos de conservacao da arara-azul-de-lear.
Foto: JOAO MARCOS ROSA/NITRO

Por: Euclidesdacunha.com.br/Mayana Xavier

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *